Os buscadores do Céu

  • Curt Unkel Nimuendajú

Resumo

A tempestade bramia por sobre as estepes dos Guaicuru sem direção ao leste. Amarrotou os tufos de grama dos campos e depois os jogou nas florestas ribeirinhas do poderoso rio Paraná ,cujas árvores timidamente curvaram as suas imensas copas perante a fúria dele e, a cada golpe de vento, como em busca de ajuda, aconchegavam-se uma a outra, para que depois, na pausa seguinte, tornassem a se erguer alto. No chão da floresta, sente-se realmente pouco da violência do temporal. Somente se escuta o bramir e ranger no alto, o ramalhar da chuva e ocasionalmente o estrondo, como o de um trovão, quando um gigante da mata virgem sucumbe na luta contra o mau tempo. Só um rangido e uma crepitação das raízes ao se envergar e quebrar, depois o estrondo retumbante quando o tronco, ao cair e derrubar os galhos das árvores menores, vem abrindo uma larga brecha na densa massa de floresta virgem e, por fim, o baque surdo com o qual o tronco chega ao encontro do chão.
Publicado
2014-11-18
Seção
Documentos