PURUBORÁ: MITOS DE UM POVO INDÍGENA RESSURGIDO DA AMAZÔNIA

  • Gisele de Oliveira Montanha Fundação Universidade Federal de Rondônia
  • José Joaci Barboza Fundação Universidade Federal de Rondônia
  • Anatália Daiane de Oliveira

Resumo

O presente texto é resultado do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) junto à Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Curso em Licenciatura em Educação Básica Intercultural, Campus de Ji-Paraná, e tem como objetivo identificar, registrar e analisar os mitos tradicionais Puruborá. O povo Puruborá é um grupo étnico ressurgido da década de 2000 e teve seu primeiro contato em 1909, quando o marechal Rondon comandou os trabalhos da construção da Linha Telegráfica no rio Manoel Correia e criou o Posto Indígena Dois de Maio, demarcando a terra para os e as Puruborá. A metodologia utilizada é a da História Oral, de modo especial a Tradição Oral. Esse trabalho contribuiu para o registro da história e mitologia do povo Puruborá e, bem como, o fortalecimento da identidade cultural do povo, o entendimento e o conhecimento sobre a etnia Puruborá.

Biografia do Autor

Gisele de Oliveira Montanha, Fundação Universidade Federal de Rondônia
Indígena Puruborá. Graduanda em Licenciatura em Educação Básica pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus de Ji-Paraná.
José Joaci Barboza, Fundação Universidade Federal de Rondônia
Professor assistente do Departamento de Educação Intercultural/DEINTER da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus de Ji-Paraná e pesquisador associado ao Grupo de Pesquisa de Educação na Amazônia (GPEA). Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia/UNIR.
Anatália Daiane de Oliveira

Graduada em Pedagogia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus de Ji-Paraná e mestra em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia - Mestrado (MAPSI), UNIR, Campus de Porto Velho. Participante do Grupo Amazônico de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Educação (GAEPPE) e Grupo de Pesquisa de Educação na Amazônia (GPEA).

Publicado
2015-05-28
Seção
Escritos Indígenas