Aspectos de sustentabilidade dos sistemas tradicionais dos povos indígenas Paiter Suruí: social, cultural, ambiental e econômico

  • Andréa Rodrigues Barbosa Faculdades Integradas de Cacoal - UNESC Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Matilde Mendes Faculdades Integradas de Cacoal - UNESC
  • Márcia Helena Gomes Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Lucilo José Ribeiro Neto Universidade Federal de Alagoas - UFAL.
Palavras-chave: sustentabilidade, cultura indígena, Paiter Suruí.

Resumo

A pesquisa apresentada tem por objetivo analisar a sustentabilidade do povo indígena Paiter Suruí (região amazônica), quanto à origem, ao contato com os não indígenas, às práticas de confecção do artesanato, coleta de sementes, agricultura e comercialização. A pesquisa se deu por meio da abordagem qualitativa, delineada pelo estudo de caso. As técnicas de coletas de dados utilizadas no estudo foram entrevistas semiestruturadas, observações e análise de documentos. Para tanto, foram utilizados conceitos de sustentabilidade e suas dimensões; e aspectos dos povos indígenas Paiter Suruí. Observou-se que esse povo indígena precisa de efetivas políticas públicas para contribuir com sua sustentabilidade.

Biografia do Autor

Andréa Rodrigues Barbosa, Faculdades Integradas de Cacoal - UNESC Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
Professora no curso de Administração da Instituição de Ensino Superior de Cacoal (FANORTE) e nos cursos de Administração e Engenharia de Produção da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR)
Matilde Mendes, Faculdades Integradas de Cacoal - UNESC
Professora no curso de Direito das Faculdades Integradas de Cacoal (UNESC)
Márcia Helena Gomes, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
Especialista em Educação Ambiental, Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG) da Universidade Federal de Rondônia UNIR. Coordenadora de Educação Escolar Indígena   do Povo Paiter Surui, - na Coordenadoria Regional de Educação - CRE/SEDUC/CACOAL/RONDÔNIA
Lucilo José Ribeiro Neto, Universidade Federal de Alagoas - UFAL.
Mestrando em Ciências da Saúde e Doutorando em Biotecnologia em Saúde pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), e Fisioterapeuta da Unidade de Reabilitação do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes da Universidade Federal de Alagoas (HUPAA/UFAL).

Referências

BRASIL. Decreto n. 7.747/2012. Institui a Política de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas – PNGATI e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/decreto/d7747.htm>. Acesso em: abr. 2016.

______. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 set. 1990.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, Norman K. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

DIAS, Reinaldo. Sociologia e administração. Campinas, SP: Alínea, 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2009.

GOMIDE, Maria Lúcia Cereda (Org.). Terra indígena uso, manejo e Conservação dos Recursos Naturais. Ji-Paraná: PROEXT – MEC/SESU, 2015.

LIMA-E-SILVA, Pedro Paulo de et al. Dicionário brasileiro de ciências ambientais. 2. ed. Rio de Janeiro: Thex, 2002.

NASCIMENTO, Elimar Pinheiro do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, p. 51-64, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142012000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: fev. 2016.

OLIVEIRA, João Pacheco de; FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006. Disponível em: <http://trilhasdeconhecimentos.etc.br/livros/arquivos/ColET13_Vias02WEB.pdf>. Acesso em: abr. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Rio +20: Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. 2012. Disponível em: <http://www.onu.org.br/rio20/sobre/>. Acesso em: fev. 2016.

PELICIONI, Maria Cecília Focesi. Educação ambiental, qualidade de vida e sustentabilidade. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 19-31, ago./dez. 1998. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12901998000200003.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

______. Estratégia de transição para o século XXI. In: BURSZTYN, Marcel (Org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasilense, 1993.

SEGRE, Marco; FERRAZ, Flávio Carvalho. O conceito de saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 5, p. 538-42, out. 1997. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000600016. Acesso em: 28 nov. 2016. .

SEIFFERT, Mari Elizabete Bernardini. Gestão ambiental: instrumentos, esfera de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas, 2011.

SURUÍ, Chicoepab. Reflorestamento da Terra Indígena Sete de Setembro: uma mudança na percepção e conduta do Povo Paiter Suruí de Rondônia. 2013. Dissertação (Mestrado Profissional em Desenvolvimento Sustentável junto a Povos e Terras Indígenas) - Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2013.

SURUÍ, Gakamam. Histórias do Clã Gapgir ey e o Mito do Gavião Real. (Coordenador e apresentador: SURUÍ, Joaton). Brasília: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB; Rondônia: Associação Gapgir do Povo Indígena Paiter Suruí, 2011.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Publicado
2017-09-01