Das possibilidades do pesquisar em contextos indígenas de Rondônia

  • Jonatha Daniel dos Santos Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
  • Rozane Alonso Alves Universidade Estadual de Goiás - UEG
Palavras-chave: infância indígena, etnomatemática, possibilidades metodológicas, povos indígenas de Rondônia.

Resumo

O objetivo deste artigo é expor as metodologias e a produção de dados utilizados em duas pesquisas de Mestrado desenvolvidas com os povos indígenas do estado de Rondônia. Assim, propomos neste texto abordar, bem como problematizar, as fontes metodológicas, as articulações realizadas no contexto teórico metodológico das dissertações de mestrado desenvolvidas com povos indígenas de Rondônia. A questão norteadora deste excerto vincula-se às concepções metodológicas na produção de dados e à “descolonização de nós mesmos” no sentido de que ambos os autores sofreram ressignificações no contexto da pesquisa com os povos indígenas de Rondônia. Como possibilidades conclusórias, problematizamos a relação de experiência e vivência com os sujeitos pesquisados no contexto da produção de dados de uma pesquisa de mestrado. A relação com o outro: estar com outro, ouvir, negociar, possibilita ao sujeito pesquisador (a) novas fontes metodológicas e novos olhares sobre o pesquisar.

Biografia do Autor

Jonatha Daniel dos Santos, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco – UCDB/ Bolsista Taxa PROSUP Licenciado em Matemática – UNIR e Mestre pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS.
Rozane Alonso Alves, Universidade Estadual de Goiás - UEG
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco – UCDB/ Bolsista Taxa PROSUP. Licenciada em Pedagogia- UNIR e Mestra em Educação pela UFRGS. Professora da Universidade Estadual de Goiás – UEG.

Referências

ALVES, Rozane Alonso. Infância indígena: narrativas das crianças Arara-Karo na região amazônica. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, 2014.

ANDRADE, S. S. A entrevista narrativa ressignificada nas pesquisas educacionais. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 173-194.

CUNHA, Susana Rangel Vieira da. Como vai a arte na Educação Infantil? Educação-arte-educação. In: RODRIGUES, M. B. Castro; DALLA ZEN, M. I. (Org.). Tópicos educacionais I. Porto Alegre, RS: Editora UFRGS, 2013. p. 31-40.

DUSCHATZKY, Silvia ; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros: narrando a alteridade na cultura e na educação. In: BONDIA, Jorge Larrosa; SKLIAR, Carlos (Org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 21. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

______. História da sexualidade 3: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MARTINS FILHO, Altino; PRADO, Patrícia. Das pesquisas com crianças: complexidades da infância. São Paulo: Autores Associados, 2011.

MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 15-22.

MEYER, Dagmar Estermann. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 47-61.

NUNES, Angela. No tempo e no espaço: brincadeiras das crianças A ‘uwe-Xavante. In: SILVA, Aracy; MACEDO, Ana Vera; NUNES, Angela (Org.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002. p. 64-100.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 23-45.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes. Pesquisa com crianças. In: PEREIRA, Rita Marisa Ribes; MACEDO, Nélia Mara Rezende (Org.). Infância em pesquisa. Rio de Janeiro: Nau, 2012.

SANTOS, Jonatha Daniel dos. Saberes etnomatemáticos na formação de professores indígenas do curso de licenciatura intercultural na Amazônia. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Porto Alegre, RS, 2015.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Conhecer a infância: os desenhos das crianças como produções simbólicas. In: MARTINS FILHO, Altino; PRADO, Patrícia (Org.). Das pesquisas com crianças: complexidades da infância. São Paulo: Autores Associados, 2011.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença – e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

TOMAS, Catarina. Há muitos mundos no mundo: cosmopolitismo, participação e direitos da criança. Porto, Portugal: Edições Afrontamentos, 2011.

TREVISAN, Gabriela de Pina. Amigos(as) e namorados (as): relacionamentos entre pares. [s.d.]. Disponível em: <http://repositorio.esepf.pt/bitstream/20.500.11796/1025/2/artigo_gabriela_encontro_final.pdf>. Acesso em: mar. 2014.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Publicado
2017-09-01