Violência epistêmica e a invenção do outro na narrativa “O Pajé de Cristo”, de Homer Dowdy

Palavras-chave: Violência epistêmica, Práticas educativas, Pós-Colonial, Decolonialidade

Resumo

O pensamento materializado na forma de escritos é um importante recurso para disseminação de valores, conhecimentos e ideologias. A obra “O Pajé de Cristo”, de Homer Dowdy, narra o processo de conversão dos povos indígenas Wai-wai ao cristianismo evangélico pelos missionários norte-americanos, o que se dá por meio da descrição de práticas educativas de catequização, fundamentadas na lógica da dominação e da superioridade epistêmica. O principal objetivo deste estudo é identificar as estratégias persuasivas utilizadas pelo autor-narrador para convencer o leitor de que o processo de conversão dos povos Wai-wai ao cristianismo evangélico foi necessário, mesmo num contexto em que conhecimentos e valores se explicam e se confrontam. Como referência, apresentamos algumas aproximações entre a corrente teórica Pós-Colonial e a perspectiva Decolonial, no que toca à crítica epistemológica, sobretudo para questionar o discurso imperialista norte-americano, engendrado pelos missionários evangélicos. O resultado deste estudo tem sido a necessidade de reinterpretação e de reescrita das narrativas sobre os povos indígenas da Amazônia como resposta ao colonizador.

Biografia do Autor

Raimundo Nonato de Pádua Câncio, Universidade Federal do Tocantins
Doutor em Educação pela Universidade Federal do Pará, na Linha Educação, Cultura e Sociedade – PPGED/UFPA; Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Pará – UEPA. Professor do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Atualmente pesquisa na área da Educação Escolar Indígena, Pós-Colonialismo, decolonialidade e educação na América Latina. Está vinculado ao Grupo de Pesquisa “José Veríssimo e o Pensamento Educacional Latino-americano (PPGED/UFPA).
Sônia Maria da Silva Araújo, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (1986), mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Educação também pela Universidade de São Paulo (2002). Fez Estágio Pós-Doutoral no Centro de Estudos Sociais (CES). Atualmente é coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará. Coordena o grupo de pesquisa "José Veríssimo e o Pensamento Educacional Latino-americano". É pesquisadora do Grupo de Pesquisa Discriminação, Preconceito, Estigma: minorias étnicas e religiosas, cultura e educação da Universidade de São Paulo (FEUSP) e do Grupo Epistemologias alternativas, movimentos sociais e educação.

Referências

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2013.

BRAGA, M. L. S. Produção de linguagem e ideologia. São Paulo: Cortez, 1980.

DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

DOWDY, H. E. O pajé de Cristo: uma história do amor de Deus operando milagres nas selvas da Amazônia. Tradução de Fausto Camargo César. New York: Harper &Row, 1963; São Paulo: Sepal, 1997. Título original: Christ’switchdoctor.

FERREIRA, M. K. L. A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil. In: FERREIRA, M. K. L.; LOPES DA SILVA, A. (Org.). Práticas pedagógicas na escola indígena. São Paulo: Globo, 2001.

FOCK, N. Waiwai: religion and Society of Amazonian tribe. Copenhagen: The National Museum, 1963.

FRIKEL, P. Dez anos de aculturação Tiriyó. Mudanças e Problemas (1960-1970). Boletim MPEG, Belém, PA, Publicações Avulsas, n. 16, 1971.

FIORIN, J. L. Língua, discurso e política. Alea, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 148-65, 1995.

HOWARD, C. A domesticação das mercadorias: estratégias Waiwai. In.: ALBERT, B.; RAMOS, A. R. (Org.). Pacificando os brancos: cosmologias do contato no Norte-Amazônico. São Paulo: UNESP/Imprensa Oficial do Estado, 2001.

LAS CASAS, F. B. de. O paraíso destruído: a sangrenta história da conquista da América Espanhola. Porto Alegre: L&PM, 2008.

MIGNOLO, W. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu, PR, v. 1, n. 1, p. 12-32, 2017.

______. La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa, 2007.

______. Histórias globais/projetos locais. Colonialidade, saberes subalternos e pensamento limiar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

OLIVEIRA, L. V. de. O cristianismo evangélico entre os Waiwai: alteridade e transformações entre as décadas de 1950 e 1980. Rio de Janeiro: UFRJ/Museu Nacional/PPGAS, 2010.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

______. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciencias sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005. Colección Sur Sur.

SANTOS, B. de S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n.79, p.71-94, nov. 2007.

WALSH, C. Interculturalidad y colonialidad del poder. Um pensamiento y posicionamiento “outro” desde la diferencia colonial. In: GOMEZ, S. C.; GROSFOGUEL, R. (Org.). El giro decolonial. Reflexiones para uma diversidad epistêmica mas allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores/Universidad Central/Pontifícia Universidad Javeriana, 2007. p. 47-62.

Publicado
2018-12-21