Assimetrias entrelaçadas: sobre o “complexo hierárquico” Eyiguayegui-Guaná

  • Gabriela de Carvalho Freire Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Eyiguayegui-Kadiwéu, Guaná-Terena-Kinikinau, Gran Chaco, formas políticas ameríndias, hierarquia.

Resumo

: O artigo pretende repensar aquilo que, desde o século XVI, vem sendo chamado “relações hierárquicas” no Gran Chaco. Por meio da análise de relatos de missionários, viajantes e exploradores, além de produções antropológicas, procuro demonstrar as contradições presentes na utilização de termos como “servidão” e “hierarquia”, encontradas em grande parte da literatura sobre os povos Eyiguayegui e Guaná. Para isso, discuto a origem dos etnônimos utilizados na literatura e sua interminável mutabilidade, as maneiras encontradas pelas fontes e antropólogos para delimitar os “grupos” chaquenhos, as relações entabuladas por essas populações, o conceito de simbiose e a noção mesma de “servidão”, muito atrelada às descrições desse “complexo hierárquico”. O argumento central é o de que, para que possamos compreender essas relações, os dados encontrados nas fontes históricas devem ser lidos em paralelo com as produções atuais da etnologia americanista, além, é claro, de passar pela crítica kadiwéu, terena e kinikinau, atuais descendentes dos Eyiguayegui e Guaná.

Biografia do Autor

Gabriela de Carvalho Freire, Universidade de São Paulo
Antropóloga responsável pela unidade de Etnologia Indígena do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade Federal do Paraná (MAE-UFPR). Mestra em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo (PPGAS-USP). É pesquisadora do Centro de Estudos Ameríndios (CEstA/USP) e desenvolve, atualmente, pesquisa sobre formas políticas ameríndias e relações de gênero entre os povos indígenas. Bacharela em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP).

Referências

AGUIRE, D. Juan Francisco. Etnografía del Chaco. Manuscrito del Capitán de Fragata D. Juan Francisco Aguirre. Boletin del Instituto Geográfico Argentino, Buenos Aires, tomo XIX, p. 465-511, [17930] 1898.

AZARA, Félix. Viajes por la América Meridional. Madrid: Calpe, [1809] 1923. v. I.

BALDUS, Herbert. Introdução. In: BOGGIANI, Guido. Os Caduveos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975. p. 11-46.

BONILLA, Oiara. O bom patrão e o inimigo voraz: predação e comércio na cosmologia Paumari. Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 41-66, 2005.

CABEZA DE VACA, Álvar Nuñes. Naufrágios e comentários. Porto Alegre: L&PM Editores, [1555] 1987.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Enigmas e soluções: exercícios de etnologia e de crítica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Fortaleza: Edições Universidade Federal do Ceará. 1983.

CARVALHO, Silvia Maria Schmuziger. Chaco: encruzilhada de povos e “melting-pot” cultural. Suas relações com a bacia do Paraná e o Sul mato-grossense. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura/FAPESP, 2002.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify., 2003.

COMBÈS, Isabelle; LOWREY, Kathleen; VILLAR, Diego. Comparative studies and the South American Gran Chaco. Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, v. 7, n. 1, p. 69-102, 2009.

DRAGO, André. Formas políticas ameríndias: etnologia jê. 2012. Orientadora: Profª Drª Beatriz Perrone-Moisés. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FARON, Louis; STEWARD, Julian. Native peoples of South America. New York: McGraw-Hill, 1959.

FRANCO, Patrick Thames. Os Terena, seus antropólogos e seus outros. 2011. Orientador: Prof Dr José Antonio Vieira Pimenta. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

FREIRE, Gabriela de Carvalho. Distinções eyiguayegui. 2018. Orientadora: Profª Drª Beatriz Perrone-Moisés. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

GUERREIRO JR., Antônio. Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia kalapalo e seu ritual mortuário. 2012. Orientadora: Profª Drª Marcela Stockler Coelho de Souza. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

HERBERTS, Ana Lucia. Panorama histórico dos Mbayá-Guaikuru entre os séculos XVI e XIX. In: JOSÉ DA SILVA, Giovani (Org.). Kadiwéu: senhoras da arte, senhores da guerra. Curitiba: Editora CRV, 2011. p. 17-47.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, [1955] 1996. “Parte V – Cadiueu”; “Nalike”, p. 163-210.

LÉVI-STRAUSS, Claude. História de lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O desdobramento da representação nas artes da Ásia e da América. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2012. p. 347-387.

LOWIE, Robert. Social and political organization of the tropical forest and marginal tribes. In: STEWARD, Julien (Ed.). Handbook of South American Indians. Washington D.C.: Government Printing Office, 1948. v. 5, p. 313-50.

MENGET, Patrick. “Jalons pour une étude comparative” in Journal de la Société des Americanistes v. 71. 1985. pp. 131-141.

MÉTRAUX, Alfred. Ethnography of the Chaco. In: STEWARD, Julien (Ed.). Handbook of South American Indians: the marginal tribes. New York: Cooper Square Publishers, 1946. v. I, p. 197-370.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. “O estudo do político entre os indígenas americanos: alguns marcos teóricos e metodológicos”. Relatório de Pesquisa (Proc. FAPESP 02/04041-9) Ms, 2003.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. 2006. “O mistério das confederações”. Comunicação simpósio “Guiana ameríndia: etnologia e história”, Belém, Ms. Disponível em Academia.edu. 2006.

PERRONÉ-MOISÉS, BEATRIZ. “L'alliance normando-tupi au XVIe siècle: la célébration de Rouen” in Journal de la Société des Américanistes, v. 94, n. 1. 2008. pp .45 – 64

PERRONÉ-MOISÉS, BEATRIZ. Festa e Guerra. São Paulo, Universidade de São Paulo: Tese de Livre-Docência, 2015.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz & SZTUTMAN, Renato. “Notícias de uma certa confederação tamoio” in Mana v. 16, n. 2. 2010. pp. 401-433.

PIMENTEL, Spensy Kmitta. Elementos para uma teoria política kaiowá e guarani. 2012. Orientadora: Profª Drª Beatriz Perrone-Moisés. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

RADIN, Paul. Indians of South America. New York: Doubleday & Company, Inc., 1946.

RAMOS, Alcida Rita. Hierarquia e simbiose: relações intertribais no Brasil. Brasília: Hucitec, 1980.

RICHARD, Nicolás. La querelle des noms. Chaînes et strates ethnonymiques dans le Chaco boreal. Journal de a Société des Américanistes, v. 97, n. 2, p. 201-30, 2011.

RICHARD, Nicolás. Les chiens, les hommes et les étrangers furieux. Archéologie des médiations indiennes dans le Chaco boreal. 2008. 2 v. Orientador: Prof Dr Jesús Garcia-Ruiz. Tese (Doutorado) - École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, 2008.

RICHARD, Nicolás; COMBÈS, Isabelle. O complexo alto-paraguaiense: do Chaco a Mato Grosso do Sul. In: CHAMORRO, Graciela; COMBÈS, Isabelle (Org.). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Dourados, MS: UFGD, 2015. p. 231-48.

RODRIGUES, Valéria Nogueira. “Os índios Kadiwéu no séxulo XIX: alteridade, identidade e transculturação”. 2009. Orientador: Prof. Dr. Otávio Navarros. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Mato Grosso. 2009.

SÁNCHEZ-LABRADOR, José. El Paraguay Católico. Buenos Aires: [s.n.], [1770-1776] 1910. 2 v.

SANTOS-GRANERO. Fernando. Vital enemies: slavery, predation and the Amerindian Economy of Life. Austin: University of Texas Press, 2009.

SCHMIDEL, Ulrich. Relatos de la conquista del Rio de la Plata y Paraguay 1534-1554. Madrid: Alianza Editorial, [1602] 1986.

SUSNIK, Branislava. El indio colonial del Paraguay v. 3. Asunción: Museo Etnografico Andres Barbero, 1971.

SUSNIK, Branislava. Dimensiones migratorias y pautas culturales de los pueblos del Gran Chaco y de su periferia (enfoque etnológico). Asunción: Universidad Católica Nuestra Señora de la Asunción, 1972.

SUSNIK, Branislava. Los aborigenes del Paraguay,v. 3. Asunción, Museo Etnografico Andres Barbero, 1972.

SZTUTMAN, Renato. O Profeta e o Principal: A ação política ameríndia e seus personagens. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

TOLA, Florencia Carmen. “Introducción. Acortando disatancias: El Chaco, la antropología y la antropología del Gran Chaco” in Ontologia, poder, afectividad. Buenos Aires: Rumbo Sur, Colección etnográfica. 2013. pp. 11-37.

VILLAR, Diego; CÓRDOBA, Lorena. Relaciones interetnicas, etnonimia y espacialidad: el caso de los panos meridionales. Boletín Americanista, Barcelona, Espanha, n. 60, p 33-49, 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Hierarquia e simbiose em questão” in Anuário Antropológico v. 81. 1983. pp. 252-262.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosas Naify, 2002.

Publicado
2019-09-03
Seção
Dossiê 2: História Indígena, Etno-história e Indígenas Historiadoras/es: experiências descolonizantes, novas abordagens