“Jure”: a educação do corpo e a expressão da identidade bororo na dança

  • Félix Rondon Adugoenau Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso – CEE/MT
  • Beleni Saléte Grando Universidade Federal de Mato Grosso
  • Neide da Silva Campos Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso (SEDUC-MT).
  • Sueli de Fátima Xavier Ribeiro Secretaria Municipal de Educação (SME-Cuiabá-MT).
Palavras-chave: “Jure”, povo Bororo, dança, Mato Grosso.

Resumo

Neste artigo, tecemos considerações sobre uma manifestação da cultura e identidade do Povo Bororo a partir do diálogo com o contexto sociocultural e histórico de Meruri, em Mato Grosso. O Jure como uma prática social se expressa como educação do corpo que se materializa na dança e no brincar possibilitando a compreensão de diferentes sentidos e significados em diálogo com a cosmologia complexa deste Povo que há 300 anos se mantém com a língua e os rituais a sua complexa estrutura social e formas de constituir suas identidades individuais e coletivas. A dança se constitui numa prática polissêmica cuja expressão revela quem são os corpos que dela participam e conforme os contextos essa transcende sua especificidade ritualística ou lúdica para promover interações e processos de educações dos corpos numa perspectiva intercultural.

Biografia do Autor

Félix Rondon Adugoenau, Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso – CEE/MT
Bororo da "Metade Exogâmica Ecerae e Clã Baadojeba, é Professor pela Unemat, Mestre em Educação pela UFMT e pesquisador vinculado ao Coeduc/UFMT e atua como pesquisador indígena do Projeto Ação Saberes Indígenas na Escola - Rede UFMT-MEC.
Beleni Saléte Grando, Universidade Federal de Mato Grosso
Professora orientadora da pesquisa é professora da UFMT e Coordenadora do Grupo de Pesquisa Corpo, Educação e Cultura, docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMT na linha de pesquisa "Movimentos Sociais, Política e Educação Popular" - UFMT campus Cuiabá-MT
Neide da Silva Campos, Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso (SEDUC-MT).
Doutoranda pelo PPGE/UFMT, pesquisadora do Coeduc/UFMT e professora da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso, em Cuiabá—MT
Sueli de Fátima Xavier Ribeiro, Secretaria Municipal de Educação (SME-Cuiabá-MT).
Mestra pelo PPGE/UFMT, pesquisadora do Coeduc/UFMT e professora da Rede Municipal de Ensino de Cuiabá-MT

Referências

ADUGOENAU, Felix Rondon. Saberes e fazeres autóctones do povo Bororo: contribuições para a educação escolar intercultural Indígena. Orientadora: Beleni Saléte Grando. 2015. 119fl. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT, 2015.

ALMEIDA, Arthur José Medeiros de. Rituais indígenas na contemporaneidade brasileira: a (re)significação de práticas corporais do povo Bororo. Orientador: João Gabriel Lima Cruz Teixeira. 2013. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2013.

ALMEIDA, Arthur José Medeiros de; ALMEIDA, Dulce Maria Filgueira de; GRANDO, Beleni S. As práticas corporais e a educação do corpo indígena: a contribuição do esporte nos jogos dos povos indígenas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 32, n. 2-4, p. 59-74, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbce/v32n2-4/05.pdf. Acesso em: 25 jun. 2015.

COLBACCHINI, Antonio; ALBISETTI, César. Os Boróros orientais: Orarimogodogue do Planalto Oriental de Mato Grosso. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

GRANDO, Beleni Saléte. A educação do corpo nas sociedades indígenas. In: MULLER, Maria Lúcia Rodrigues; PAIXÃO, Lea Pinheiro (Org.). Educação, diferenças e desigualdades. Cuiabá: EdUFMT, 2006. p. 227-52.

GRANDO, Beleni Saléte. Corpo e educação: as relações interculturais nas práticas corporais Bororo em Meruri-MT. Orientador: Reinaldo Matias Fleuri. 2004. 356fl. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2004.

GRANDO, Beleni, Saléte. Corpo e cultura: a educação do corpo em relações de fronteiras étnicas e culturais e a constituição da identidade Bororo em Meruri-MT. Pensar a Prática, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 163-79, jul./dez. 2005.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. Lisboa: Edições 70, 1993.

MAUSS, Marcel. As Técnicas Corporais. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. Tradução de Lamberto Puccinelli. São Paulo: EPU, 1974. V. II.

MAUSS, Marcel. Manual de etnografia. Portugal: Dom Quixote, 1993.

PINTO, Leila Santos de Magalhães; GRANDO, Beleni Saléte. Brincar, jogar, viver: IX Jogos dos Povos Indígenas. Cuiabá: Central de texto, 2011.

RODRIGUES, José Carlos. O Tabu do corpo. Rio de Janeiro: Edições Achiamé, 1980.

Publicado
2019-09-03
Seção
Dossiê 2: História Indígena, Etno-história e Indígenas Historiadoras/es: experiências descolonizantes, novas abordagens