ɄTÃ WORI – Um Diálogo entre Conhecimento Tuyuka e Arqueologia Rupestre no Baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil

  • Poani Higino Tenório Tuyuka FOIRN - São Gabriel da Cachoeira, AM, Cep SEMEC - São Gabriel da Cachoeira - , São Gabriel da Cachoeira
  • Raoni Bernardo Maranhão Valle Universidade Federal do Oeste do Pará Campus Amazônia - Santarém
Palavras-chave: Ʉtã Wori, petróglifos, Rio Negro, arqueologia intercultural, descolonização.

Resumo

Este artigo traz um relato preliminar sobre uma experiência de trocas de conhecimento entre um Kiti Masigu (historiador) Tuyuka e um arqueólogo não-Indígena que prospectaram juntos na estação seca de 2016 um conjunto de sítios rupestres no baixo Rio Negro, Amazonas, Brasil. No conhecimento Tuyuka tais sítios são denominados Ʉtã Woritire, isto é, lugares sagrados com desenhos nas pedras, muitos dos quais também são Pamuri Wiseri (Casas de Transformação).  Desta maneira, houve uma aproximação a uma agenda de pesquisa intercultural sobre o tema que está sendo problematizada como um exercício de descolonização da arqueologia rupestre na Amazônia.

Biografia do Autor

Poani Higino Tenório Tuyuka, FOIRN - São Gabriel da Cachoeira, AM, Cep SEMEC - São Gabriel da Cachoeira - , São Gabriel da Cachoeira
Reconhecida liderança indígena do povo Tuyuka do Alto Rio Negro, atuante desde os anos 80; Professor Indígena e Historiador (Kiti Masigu) do povo Tuyuka; membro e um dos fundadores da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro - FOIRN (1987); membro um dos fundadores da Escola Utapinopona -Tuyuka (1998) no rio Tiquié; Investigador Tuyuka de ɄTÃ WORI (arte rupestre). Email: higinotuiuka@gmail.com
Raoni Bernardo Maranhão Valle, Universidade Federal do Oeste do Pará Campus Amazônia - Santarém
Professor Adjunto no Programa de Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal do Oeste do Pará (2012); graduado em História - UFPE (2000); mestre em História - UFPE (2003); doutor em Arqueologia - USP (2012). Email: figueiradoinferno@hotmail.com

Referências

ANDRELLO, Geraldo (Org.). Rotas de criação e transformação – narrativas de origem dos Povos Indígenas do Rio Negro. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, AM: FOIRN - Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro, 2012.

HUGH-JONES, Stephen. The palm and the pleiades – initiation and cosmology in northwest Amazonia. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1979.

MALAFOURIS, Lambros; RENFREW, Colin. Introduction. In: MALAFOURIS, Lambros; RENFREW, Colin (Ed.). The cognitive life of things - recasting the boundaries of the mind. Cambridge, UK: McDonald Institute for Archaeological Research, 2010.

TÉNÓRIO TUYUKA, Poani Higino Pimentel; CABALZAR, Aloísio. No caminho da cobra de pedra. In: ANDRELLO, Geraldo (Org.). Rotas de criação e transformação – narrativas de origem dos Povos Indígenas do Rio Negro. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, AM: FOIRN - Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro, 2012.

VALLE, Raoni B. M. Ethnogeology of rock art? Some considerations derived from amazonianist ethnographies. In: TRONCOSO, A.; ARMSTRONG, F.; NASH, G. (Ed.). Archaeologies of rock art – South American Perspectives. London/New York: Routledge, 2018.

VALLE, Raoni B. M. Mentes graníticas e mentes areníticas – fronteira geo-cognitiva nas gravuras rupestres do Baixo Rio Negro, Amazônia Setentrional. 2012. 546 p. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Universidade de São Paulo, 2012.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B. Cosmological deixis and amerindian perspectivism. The Journal Of The Royal Anthropological Institute, v. 4, n. 3, p. 469-88, set. 1998.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y (de)colonialidad: perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, SC, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan./dez. 2012.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, Estado, Sociedad: luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito, Equador: Universidad Andina Simón Bolivar/Ediciones Abya-Yala, 2009.

Publicado
2019-09-03
Seção
Dossiê 2: História Indígena, Etno-história e Indígenas Historiadoras/es: experiências descolonizantes, novas abordagens