A reorganização e a fluidez do uso da mão de obra indígena no Grão-Pará: segunda metade do século XVIII (1750-1765)

  • Décio de Alencar Guzmán Universidade Federal do Pará
  • Leonardo Raiol Junior Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: trabalho indígena, período pombalino, Amazônia Colonial, Capitania do Grão-Pará, século XVIII.

Resumo

O presente trabalho visa discutir a respeito do contexto histórico amazônico ao qual abarca uma série de nuances, uma delas se refere a promulgação das leis que regulavam a liberdade indígena, das quais verificam a Lei de Liberdade dos Índios, publicada em 1755, e a Lei do Diretório dos Índios, decretada dois anos depois. Além disso, buscou-se acentuar de modo contundente a figura dos índios em algumas vilas ou aldeias que fizeram parte da Capitania do Grão-Pará, no período que compreende os anos de 1750 a 1765. Em suma, o objetivo foi refletir não somente a figura dos índios como sujeitos históricos nesse contexto colonial e de como eles estavam inseridos em uma dinâmica de trabalho que envolvia diferentes agentes coloniais, mas também, procurou-se analisar as estratégias, as mobilidades e as articulações indígenas.

Biografia do Autor

Décio de Alencar Guzmán, Universidade Federal do Pará
Possui graduação e especialização em História pela Universidade Federal do Pará (1993) e mestrado em História pela Universidade Estadual de Campinas (1997). Atualmente é professor Adjunto da Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colônia, História Indígena e do Indigenismo e História da Amazônia. Publicou livros, capítulos de livros e artigos no Brasil, Bélgica, Estados Unidos, França, Itália, México e Peru.
Leonardo Raiol Junior, Universidade Federal do Pará
Graduado em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Pará. Foi bolsista na Secretária de Estado de Turismo do Estado do Pará. Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID. Membro do Grupo de Pesquisa de História Indígena e do Indigenismo - GP HINDIA. Foco de pesquisa, mão de obra indígena, com ênfase nos estudos a partir da segunda metade do século XVIII (1750 - 1780). É Professor de História da América da Rede Emancipa: Movimento Social de Educação Popular.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. A atuação dos indígenas na história do Brasil: revisões historiográficas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 37, n. 75, p. 17-38, 2017.

BEZERRA NETO, José Maia. A ‘rota negra’ entre o Grão-Pará e a África: um mar de incertezas e muitas histórias. In: BEZERRA NETO, José Maia. Escravidão negra no Pará (séculos XVII – XIX). 2. ed. Belém, PA: Paka-Tatu, 2012. p. 25-69.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Pará (século XVII e início do século XVIII). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 26, n. 52, p. 79-114, 2006.

COELHO, Geraldo Mártires. Estratégias civilizacionais: língua e poder na Amazônia pombalina. Anais do Arquivo Público do Pará, Belém, v. 5, t. 1, p. 125-38, 2006.

COELHO, Mauro Cezar. O Imenso Portugal: vilas e lugares no Vale Amazônico. Territórios e Fronteiras, Cuiabá, MT, v. 1, n. 1, p. 263-83, jan./jun. 2008. (Dossiê Temático: Império Português-Brasileiro-Espanhol I).

COELHO, Mauro Cezar. A construção de uma lei: o Diretório dos Índios. Revista IHGB, Rio de Janeiro, ano 168, n. 437, p. 29-48, out./dez. 2007.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Imagens de índios do Brasil: o século XVI. Estudos Avançados, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 91-110, set./dez. 1990.

DANIEL, João. Da grande habilidade e aptidão dos índios. In: DANIEL, João. Tesouro descoberto no máximo rio Amazonas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004. v. 1, p. 341-3.

DIAS, Manuel Nunes. Fomento Ultramarino e Mercantilismo: a companhia geral do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778). Revista de História, São Paulo, v. 32, n. 66, p. 359-71, jun. 1966. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/124426. Acesso em: 22 maio 2018.

DIRETÓRIO que se deve observar nas povoações dos índios do Pará, e Maranhão enquanto sua Majestade não mandar o contrário. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 1758.

DOMINGUES, Ângela. Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – CNCDP, 2000.

FARAGE, Nádia. As muralhas dos sertões: os povos indígenas no rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra/Anpocs, 1991.

FARAGE, Nádia. A política indigenista pombalina na Amazônia: algumas considerações. Comunicação apresentada ao GT. História Indígena e do Indigenismo. In: ENCONTRO DA ANPOCS, 10., out. 1986. p. 20-47.

GARCIA, Elisa Frühauf. O projeto pombalino de imposição da língua portuguesa aos índios e a sua aplicação na América meridional. Tempo, Niterói, RJ, v. 12, n. 23, p. 23-38, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-77042007000200003&lng=en&nrm= iso. Acesso em: 11 mar. 2018.

GOMES, Flávio. Migrações, populações indígenas e etno-genese na América Portuguesa (Amazônia Colonial, s. XVIII). Nuevo Mundo Mundos Nuevos, 2011, Disponível em: http://journals.openedition.org/nuevomundo/60721. Acesso em: 15 ago. 2018.

GOMES, Flávio; MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo. Reconfigurações coloniais: tráfico de indígenas, fugitivos e fronteiras no Grão-Pará e Guiana Francesa (Séculos XVII e XVIII). Revista de História, São Paulo, n. 149, p. 69-107, 2º sem. 2003.

GUZMÁN, Décio de Alencar. Festa, preguiça e matulagem: o trabalho indígena e as oficinas de pintura e escultura no Grão-Pará, sécs. XVII-XVIII. Revista Estudos Amazônicos, v. XIII, n. 1, p. 1-29, 2015. (Dossiê: História Indígena ).

GUZMÁN, Décio de Alencar. Índios misturados, caboclos e curibocas: análise histórica de um processo de mestiçagem, Rio Negro (Brasil, séculos XVIII e XIX). In: ADAMS, C.; MURRIETA, R.; NEVES, W. (Org.). Sociedades caboclas amazônicas: modernidade e invisibilidade. São Paulo: Annablume, 2006. p. 67-80.

HENRIQUE, Márcio Couto. Conceitos e preconceitos em história indígena. In: COELHO, Wilma de Nazaré Baia; MAGALHÃES, Ana Del Tabor Vasconcelos (Org.). Educação para a diversidade: olhares sobre a educação para as relações étnico-raciais. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010. p. 79-95.

HERIARTE, Mauricio de. Descrição do estado do Maranhão, Pará, Corupá e Rio das Amazonas. Vienna d'Austria: Imprensa do filho de Carlos Gerold, 1874. p. 36-8. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_obrasraras/or110374/or110374.pdf. Acesso em: 18 ago. 2018.

MAXWELL, Kenneth. Reforma. In: MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. p. 96-117.

MELLO, Márcia Eliane Alves de Souza. Fé e Império: as Juntas das Missões nas conquistas portuguesas. Manaus: EDUA - Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007.

MELO, Vinícius Zúniga. Os diretores de povoações: serviços e transgressões no Grão-Pará do diretório dos índios (1757-1798). 2016. 201 f. Orientador: Mauro Cesar Coelho Dissertação (Mestrado em História Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

MENDONÇA, Marcos Carneiro. A Amazônia na Era Pombalina: correspondência inédita do Governador Capitão-General do Estado do Grão-Pará e Maranhão Francisco de Xavier de Mendonça Furtado (1751-1759). 1. ed. Brasília: Senado Federal, 2005. Tomos I, II e III.

MONTEIRO, John M. Armas e armadilhas: História e resistência dos índios. In: NOVAES, Adauto (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 237-49.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial, séculos XVI a XVIII. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 115-32.

SAMPAIO, Patricia Melo. Escravos e escravidão africana na Amazônia. In: SAMPAIO, Patricia Melo (Org.). O fim do silêncio: presença negra na Amazônia. Belém, PA: Editora Açaí/CNPq, 2011. p. 14-42.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Índios e brancos na Amazônia Portuguesa: políticas e identidade no século XVIII. In: CHAMBOULEYRON, Rafael; ALONSO, José Luis Ruiz-Peinado (Org.). T(r)ópricos de história: gente, espaço e tempo na Amazônia (séculos XVII A XXI). Belém, PA: Editora Açaí/Programa de Pós-graduação em História Social da Amazônia (UFPA)/Centro de Memória da Amazônia (UFPA), 2010. p. 99-116.

VILLALTA, Luiz Carlos. Reformismo ilustrado, censura e práticas de leitura: usos do livro na América Portuguesa. 1999. Orientadora: Laura de Mello e Souza. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

Publicado
2019-09-03
Seção
Dossiê 2: História Indígena, Etno-história e Indígenas Historiadoras/es: experiências descolonizantes, novas abordagens