Sustentabilidade, educação escolar e formação de professores indígenas

  • Maria José e Jesus Alves Cordeiro

Resumo

Este texto tem como objetivo desenvolver a temática dos desafios referentes à tarefa de formação dos professores indígenas no nível superior,a partir da experiência enfrentada, concretamente, na UEMS – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Trata inicialmente da questão de que o conceito de direito à diferença cultural no ensino superior, pleiteado pelos indígenas há vários anos, é diferente da solicitada para a educação básica. Esta diferença incide em aspectos como a formação de indígenas qualificados e comprometidos com a defesa dos seus direitos, a gestão de seus territórios, o fortalecimento de suas organizações e a promoção da qualidade de vida de seus povos, adquire uma dimensão mais complexa e polêmica, dentro do universo acadêmico. Qualquer universidade que se propõe a oferecer cursos de graduação de Licenciatura ou Bacharelado específicos para formação de indígenas depara-se com o trabalho delicadoe difícil de, por um lado, respeitar a especificidade cultural, e por outro,ajudar os acadêmicos indígenas no contexto de convivência conflitiva em um mundo de competição e de múltiplas dominações. O texto trata, ainda,da questão das cotas na universidade, que é um mecanismo de acesso que possibilita a concorrência entre os iguais e possibilidades reais de inserçãodo indígena nos cursos superiores pretendidos.
Publicado
2014-11-20